Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
4

A nossa filiação em Cristo

41Digo, pois, que, durante o tempo em que o herdeiro é menor, em nada difere de escravo, posto que é ele senhor de tudo. 2Mas está sob tutores e curadores até ao tempo predeterminado pelo pai. 3Assim, também nós, quando éramos menores, estávamos servilmente sujeitos aos rudimentos do mundo; 4vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, 5para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. 6E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba,4.6 Aba; no original, Pai Pai! 7De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por Deus.

4.1-7
Rm 8.14-17

O valor transitório dos ritos judaicos

8Outrora, porém, não conhecendo a Deus, servíeis a deuses que, por natureza, não o são; 9mas agora que conheceis a Deus ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como estais voltando, outra vez, aos rudimentos fracos e pobres, aos quais, de novo, quereis ainda escravizar-vos? 10Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. 11Receio de vós tenha eu trabalhado em vão para convosco.

A perplexidade de Paulo

12Sede qual eu sou; pois também eu sou como vós. Irmãos, assim vos suplico. Em nada me ofendestes. 13E vós sabeis que vos preguei o evangelho a primeira vez por causa de uma enfermidade física. 14E, posto que a minha enfermidade na carne vos foi uma tentação, contudo, não me revelastes desprezo nem desgosto; antes, me recebestes como anjo de Deus, como o próprio Cristo Jesus. 15Que é feito, pois, da vossa exultação? Pois vos dou testemunho de que, se possível fora, teríeis arrancado os próprios olhos para mos dar. 16Tornei-me, porventura, vosso inimigo, por vos dizer a verdade? 17Os que vos obsequiam não o fazem sinceramente, mas querem afastar-vos de mim, para que o vosso zelo seja em favor deles. 18É bom ser sempre zeloso pelo bem e não apenas quando estou presente convosco, 19meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós; 20pudera eu estar presente, agora, convosco e falar-vos em outro tom de voz; porque me vejo perplexo a vosso respeito.

4.8-20
Cl 2.8-23

Sara e Agar, alegoria das duas alianças

21Dizei-me vós, os que quereis estar sob a lei: acaso, não ouvis a lei? 22Pois está escrito que Abraão teve dois filhos, um da mulher escrava

4.22
Gn 16.15
e outro da livre.
4.22
Gn 21.2
23Mas o da escrava nasceu segundo a carne; o da livre, mediante a promessa. 24Estas coisas são alegóricas; porque estas mulheres são duas alianças; uma, na verdade, se refere ao monte Sinai, que gera para escravidão; esta é Agar. 25Ora, Agar é o monte Sinai, na Arábia, e corresponde à Jerusalém atual, que está em escravidão com seus filhos. 26Mas a Jerusalém lá de cima é livre, a qual é nossa mãe; 27porque está escrito:

Alegra-te, ó estéril, que não dás à luz, exulta e clama, tu que não estás de parto; porque são mais numerosos os filhos da abandonada que os da que tem marido.

4.27
Is 54.1

28Vós, porém, irmãos, sois filhos da promessa, como Isaque. 29Como, porém, outrora, o que nascera segundo a carne perseguia
4.29
Gn 21.9
ao que nasceu segundo o Espírito, assim também agora. 30Contudo, que diz a Escritura?

Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava será herdeiro com o filho da livre.

4.30
Gn 21.10

31E, assim, irmãos, somos filhos não da escrava, e sim da livre.
5

Ou a lei ou Cristo

51Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão.

2Eu, Paulo, vos digo que, se vos deixardes circuncidar, Cristo de nada vos aproveitará. 3De novo, testifico a todo homem que se deixa circuncidar que está obrigado a guardar toda a lei. 4De Cristo vos desligastes, vós que procurais justificar-vos na lei; da graça decaístes. 5Porque nós, pelo Espírito, aguardamos a esperança da justiça que provém da fé. 6Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão, nem a incircuncisão têm valor algum, mas a fé que atua pelo amor. 7Vós corríeis bem; quem vos impediu de continuardes a obedecer à verdade? 8Esta persuasão não vem daquele que vos chama. 9Um pouco de fermento leveda toda a massa.

5.9
1Co 5.6
10Confio de vós, no Senhor, que não alimentareis nenhum outro sentimento; mas aquele que vos perturba, seja ele quem for, sofrerá a condenação. 11Eu, porém, irmãos, se ainda prego a circuncisão, por que continuo sendo perseguido? Logo, está desfeito o escândalo da cruz. 12Tomara até se mutilassem os que vos incitam à rebeldia.

A liberdade é limitada pelo amor

13Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade; porém não useis da liberdade para dar ocasião à carne; sede, antes, servos uns dos outros, pelo amor. 14Porque toda a lei se cumpre em um só preceito, a saber:

Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

5.14
Lv 19.18

15Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede que não sejais mutuamente destruídos.

As obras da carne e o fruto do Espírito

16Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne. 17Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer. 18Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais sob a lei. 19Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, 20idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, 21invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam. 22Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, 23mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei. 24E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências.

25Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. 26Não nos deixemos possuir de vanglória, provocando uns aos outros, tendo inveja uns dos outros.

5.16-26
Rm 7.7-25

6

O auxílio mútuo e a responsabilidade pessoal

61Irmãos, se alguém for surpreendido nalguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado. 2Levai as cargas uns dos outros e, assim, cumprireis a lei de Cristo. 3Porque, se alguém julga ser alguma coisa, não sendo nada, a si mesmo se engana. 4Mas prove cada um o seu labor e, então, terá motivo de gloriar-se unicamente em si e não em outro. 5Porque cada um levará o seu próprio fardo.

O que o homem semear, isso também ceifará

6Mas aquele que está sendo instruído na palavra faça participante de todas as coisas boas aquele que o instrui. 7Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará. 8Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna. 9E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos. 10Por isso, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé.

Paulo gloria-se na cruz de Cristo

11Vede com que letras grandes vos escrevi de meu próprio punho. 12Todos os que querem ostentar-se na carne, esses vos constrangem a vos circuncidardes, somente para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo. 13Pois nem mesmo aqueles que se deixam circuncidar guardam a lei; antes, querem que vos circuncideis, para se gloriarem na vossa carne. 14Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo. 15Pois nem a circuncisão é coisa alguma, nem a incircuncisão, mas o ser nova criatura. 16E, a todos quantos andarem de conformidade com esta regra, paz e misericórdia sejam sobre eles e sobre o Israel de Deus.

17Quanto ao mais, ninguém me moleste; porque eu trago no corpo as marcas de Jesus.

A bênção

18A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja, irmãos, com o vosso espírito. Amém!