Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
1

Prefácio e saudação

11Paulo, apóstolo, não da parte de homens, nem por intermédio de homem algum, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai, que o ressuscitou dentre os mortos, 2e todos os irmãos meus companheiros, às igrejas da Galácia, 3graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do [nosso] Senhor Jesus Cristo, 4o qual se entregou a si mesmo pelos nossos pecados, para nos desarraigar deste mundo perverso, segundo a vontade de nosso Deus e Pai, 5a quem seja a glória pelos séculos dos séculos. Amém!

A inconstância dos gálatas

6Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho, 7o qual não é outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. 8Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. 9Assim, como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema.

O evangelho que Paulo recebeu e pregou

10Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo. 11Faço-vos, porém, saber, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, 12porque eu não o recebi, nem o aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo. 13Porque ouvistes qual foi o meu proceder outrora no judaísmo, como sobremaneira perseguia eu a igreja de Deus

1.13
At 8.3
26.9-11
e a devastava. 14E, na minha nação, quanto ao judaísmo, avantajava-me
1.14
At 22.3
a muitos da minha idade, sendo extremamente zeloso das tradições de meus pais. 15Quando, porém, ao que me separou antes de eu nascer e me chamou pela sua graça, aprouve 16revelar seu Filho em mim, para que eu o pregasse entre os gentios, sem detença, não consultei carne e sangue,
1.15-16
At 9.3-6
17nem subi a Jerusalém para os que já eram apóstolos antes de mim, mas parti para as regiões da Arábia e voltei, outra vez, para Damasco.

Paulo vai a Jerusalém, Síria e Cilícia

18Decorridos três anos, então, subi a Jerusalém

1.18
At 9.26-30
para avistar-me com Cefas e permaneci com ele quinze dias; 19e não vi outro dos apóstolos, senão Tiago, o irmão do Senhor. 20Ora, acerca do que vos escrevo, eis que diante de Deus testifico que não minto. 21Depois, fui para as regiões da Síria e da Cilícia. 22E não era conhecido de vista das igrejas da Judeia, que estavam em Cristo. 23Ouviam somente dizer: Aquele que, antes, nos perseguia, agora, prega a fé que, outrora, procurava destruir. 24E glorificavam a Deus a meu respeito.

2

O apostolado aos judeus e aos gentios

21Catorze anos depois, subi outra vez a Jerusalém

2.1
At 11.30
15.2
com Barnabé, levando também a Tito. 2Subi em obediência a uma revelação; e lhes expus o evangelho que prego entre os gentios, mas em particular aos que pareciam de maior influência, para, de algum modo, não correr ou ter corrido em vão. 3Contudo, nem mesmo Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar-se. 4E isto por causa dos falsos irmãos que se entremeteram com o fim de espreitar a nossa liberdade que temos em Cristo Jesus e reduzir-nos à escravidão; 5aos quais nem ainda por uma hora nos submetemos, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós. 6E, quanto àqueles que pareciam ser de maior influência (quais tenham sido, outrora, não me interessa; Deus não aceita a aparência
2.6
Dt 10.17
do homem), esses, digo, que me pareciam ser alguma coisa nada me acrescentaram; 7antes, pelo contrário, quando viram que o evangelho da incircuncisão me fora confiado, como a Pedro o da circuncisão 8(pois aquele que operou eficazmente em Pedro para o apostolado da circuncisão também operou eficazmente em mim para com os gentios) 9e, quando conheceram a graça que me foi dada, Tiago, Cefas e João, que eram reputados colunas, me estenderam, a mim e a Barnabé, a destra de comunhão, a fim de que nós fôssemos para os gentios, e eles, para a circuncisão; 10recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também me esforcei por fazer.

Paulo repreende a Pedro. A justificação pela fé em Cristo Jesus

11Quando, porém, Cefas veio a Antioquia, resisti-lhe face a face, porque se tornara repreensível. 12Com efeito, antes de chegarem alguns da parte de Tiago, comia com os gentios; quando, porém, chegaram, afastou-se e, por fim, veio a apartar-se, temendo os da circuncisão. 13E também os demais judeus dissimularam com ele, a ponto de o próprio Barnabé ter-se deixado levar pela dissimulação deles. 14Quando, porém, vi que não procediam corretamente segundo a verdade do evangelho, disse a Cefas, na presença de todos: se, sendo tu judeu, vives como gentio e não como judeu, por que obrigas os gentios a viverem como judeus? 15Nós, judeus por natureza e não pecadores dentre os gentios, 16sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei,

2.16
Sl 143.2
Rm 3.20
e sim mediante a fé em Cristo Jesus, também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém será justificado. 17Mas se, procurando ser justificados em Cristo, fomos nós mesmos também achados pecadores, dar-se-á o caso de ser Cristo ministro do pecado? Certo que não! 18Porque, se torno a edificar aquilo que destruí, a mim mesmo me constituo transgressor. 19Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo; 20logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim. 21Não anulo a graça de Deus; pois, se a justiça é mediante a lei, segue-se que morreu Cristo em vão.
2.15-21
Rm 3.21-31

3

Paulo apela para a experiência dos gálatas

31Ó gálatas insensatos! Quem vos fascinou a vós outros, ante cujos olhos foi Jesus Cristo exposto como crucificado? 2Quero apenas saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé? 3Sois assim insensatos que, tendo começado no Espírito, estejais, agora, vos aperfeiçoando na carne? 4Terá sido em vão que tantas coisas sofrestes? Se, na verdade, foram em vão. 5Aquele, pois, que vos concede o Espírito e que opera milagres entre vós, porventura, o faz pelas obras da lei ou pela pregação da fé?

A experiência de Abraão

6É o caso de Abraão, que creu em Deus, e isso lhe foi imputado para justiça.

3.6
Gn 15.6
7Sabei, pois, que os da fé é que são filhos de Abraão. 8Ora, tendo a Escritura previsto que Deus justificaria pela fé os gentios, preanunciou o evangelho a Abraão:

Em ti, serão abençoados todos os povos.

3.8
Gn 12.3

9De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão. 10Todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição; porque está escrito:

Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las.

3.10
Dt 27.26

11E é evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus, porque

o justo viverá pela fé.

3.11
Hc 2.4

12Ora, a lei não procede de fé, mas:

Aquele que observar os seus preceitos por eles viverá.

3.12
Lv 18.5

13Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito:

Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro

3.13
Dt 21.23
),

14para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios, em Jesus Cristo, a fim de que recebêssemos, pela fé, o Espírito prometido.

A lei não pode invalidar a promessa

15Irmãos, falo como homem. Ainda que uma aliança seja meramente humana, uma vez ratificada, ninguém a revoga ou lhe acrescenta alguma coisa. 16Ora, as promessas foram feitas a Abraão e ao seu descendente. Não diz: E aos descendentes, como se falando de muitos, porém como de um só: E ao teu descendente,

3.16
Gn 12.7
que é Cristo. 17E digo isto: uma aliança já anteriormente confirmada por Deus, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois,
3.17
Êx 12.40
não a pode ab-rogar, de forma que venha a desfazer a promessa. 18Porque, se a herança provém de lei, já não decorre de promessa; mas foi pela promessa que Deus a concedeu gratuitamente a Abraão.
3.6-18
Rm 4.1-12
19Qual, pois, a razão de ser da lei? Foi adicionada por causa das transgressões, até que viesse o descendente a quem se fez a promessa, e foi promulgada por meio de anjos, pela mão de um mediador. 20Ora, o mediador não é de um, mas Deus é um. 21É, porventura, a lei contrária às promessas de Deus? De modo nenhum! Porque, se fosse promulgada uma lei que pudesse dar vida, a justiça, na verdade, seria procedente de lei. 22Mas a Escritura encerrou tudo sob o pecado, para que, mediante a fé em Jesus Cristo, fosse a promessa concedida aos que creem.

A tutela da lei para nos conduzir a Cristo

23Mas, antes que viesse a fé, estávamos sob a tutela da lei e nela encerrados, para essa fé que, de futuro, haveria de revelar-se. 24De maneira que a lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificados por fé. 25Mas, tendo vindo a fé, já não permanecemos subordinados ao aio. 26Pois todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus; 27porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes. 28Dessarte, não pode haver judeu nem grego; nem escravo nem liberto; nem homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. 29E, se sois de Cristo, também sois descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa.