Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
1

Prólogo

11Escrevi o primeiro livro, ó Teófilo,

1.1
Lc 1.1-4
relatando todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar 2até ao dia em que, depois de haver dado mandamentos por intermédio do Espírito Santo aos apóstolos que escolhera, foi elevado às alturas. 3A estes também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas concernentes ao reino de Deus. 4E, comendo com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai,
1.4
Lc 24.49
a qual, disse ele, de mim ouvistes. 5Porque João, na verdade, batizou com1.5 com; ou em água,
1.5
Mt 3.11
Mc 1.8
Lc 3.16
Jo 1.33
mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.

A ascensão de Jesus

6Então, os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel? 7Respondeu-lhes: Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade; 8mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas

1.8
Mt 28.19
Mc 16.15
Lc 24.47-48
tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra. 9Ditas estas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos. 10E, estando eles com os olhos fitos no céu, enquanto Jesus subia, eis que dois varões vestidos de branco se puseram ao lado deles 11e lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes subir.

Os discípulos em Jerusalém

12Então, voltaram para Jerusalém, do monte chamado Olival, que dista daquela cidade tanto como a jornada de um sábado.1.12 jornada de um sábado: cerca de um quilômetro 13Quando ali entraram, subiram para o cenáculo onde se reuniam Pedro, João, Tiago, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelote, e Judas, filho de Tiago. 14Todos estes perseveravam unânimes em oração, com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele.

1.13-14
Mt 10.2-4
Mc 3.16-19
Lc 6.14-16

A escolha de Matias

15Naqueles dias, levantou-se Pedro no meio dos irmãos (ora, compunha-se a assembleia de umas cento e vinte pessoas) e disse: 16Irmãos, convinha que se cumprisse a Escritura que o Espírito Santo proferiu anteriormente por boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam Jesus, 17porque ele era contado entre nós e teve parte neste ministério. 18(Ora, este homem adquiriu um campo com o preço da iniquidade; e, precipitando-se, rompeu-se pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram; 19e isto chegou ao conhecimento de todos os habitantes de Jerusalém, de maneira que em sua própria língua esse campo era chamado Aceldama, isto é, Campo de Sangue.

1.18-19
Mt 27.6-8
) 20Porque está escrito no Livro dos Salmos:

Fique deserta a sua morada;

1.20
Sl 69.25
e não haja quem nela habite;

e:

Tome outro o seu encargo.

1.20
Sl 109.8

21É necessário, pois, que, dos homens que nos acompanharam todo o tempo que o Senhor Jesus andou entre nós, 22começando no batismo de João,
1.22
Mt 3.16
Mc 1.9
Lc 3.21
até ao dia em que dentre nós foi levado
1.22
Mc 16.19
Lc 24.51
às alturas, um destes se torne testemunha conosco da sua ressurreição. 23Então, propuseram dois: José, chamado Barsabás, cognominado Justo, e Matias. 24E, orando, disseram: Tu, Senhor, que conheces o coração de todos, revela-nos qual destes dois tens escolhido 25para preencher a vaga neste ministério e apostolado, do qual Judas se transviou, indo para o seu próprio lugar. 26E os lançaram em sortes, vindo a sorte recair sobre Matias, sendo-lhe, então, votado lugar com os onze apóstolos.
2

A descida do Espírito Santo

21Ao cumprir-se o dia de Pentecostes,

2.1
Lv 23.15-21
Dt 16.9-11
estavam todos reunidos no mesmo lugar; 2de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. 3E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. 4Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem.

O dom de línguas

5Ora, estavam habitando em Jerusalém judeus, homens piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu. 6Quando, pois, se fez ouvir aquela voz, afluiu a multidão, que se possuiu de perplexidade, porquanto cada um os ouvia falar na sua própria língua. 7Estavam, pois, atônitos e se admiravam, dizendo: Vede! Não são, porventura, galileus todos esses que aí estão falando? 8E como os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? 9Somos partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia, Judeia, Capadócia, Ponto e Ásia, 10da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos que aqui residem, 11tanto judeus como prosélitos, cretenses e arábios. Como os ouvimos falar em nossas próprias línguas as grandezas de Deus? 12Todos, atônitos e perplexos, interpelavam uns aos outros: Que quer isto dizer? 13Outros, porém, zombando, diziam: Estão embriagados!

O discurso de Pedro

14Então, se levantou Pedro, com os onze; e, erguendo a voz, advertiu-os nestes termos: Varões judeus e todos os habitantes de Jerusalém, tomai conhecimento disto e atentai nas minhas palavras. 15Estes homens não estão embriagados, como vindes pensando, sendo esta a terceira hora do dia. 16Mas o que ocorre é o que foi dito por intermédio do profeta Joel:

17E acontecerá nos últimos dias, diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos jovens terão visões, e sonharão vossos velhos;

18até sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei do meu Espírito naqueles dias, e profetizarão.

19Mostrarei prodígios em cima no céu e sinais embaixo na terra: sangue, fogo e vapor de fumaça.

20O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e glorioso Dia do Senhor.

21E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.

2.17-21
Jl 2.28-32

22Varões israelitas, atendei a estas palavras: Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós com milagres, prodígios e sinais, os quais o próprio Deus realizou por intermédio dele entre vós, como vós mesmos sabeis; 23sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o
2.23
Mt 27.35
Mc 15.24
Lc 23.33
Jo 19.18
por mãos de iníquos; 24ao qual, porém, Deus ressuscitou,
2.24
Mt 28.5
Mc 16.6
Lc 24.5
rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse ele retido por ela. 25Porque a respeito dele diz Davi:

Diante de mim via sempre o Senhor, porque está à minha direita, para que eu não seja abalado.

26Por isso, se alegrou o meu coração, e a minha língua exultou; além disto, também a minha própria carne repousará em esperança,

27porque não deixarás a minha alma na morte, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção.

28Fizeste-me conhecer os caminhos da vida, encher-me-ás de alegria na tua presença.

2.25-28
Sl 16.8-11

29Irmãos, seja-me permitido dizer-vos claramente a respeito do patriarca Davi que ele morreu e foi sepultado, e o seu túmulo permanece entre nós até hoje. 30Sendo, pois, profeta e sabendo que Deus lhe havia jurado
2.30
Sl 89.3-4
132.11
que um dos seus descendentes se assentaria no seu trono, 31prevendo isto, referiu-se à ressurreição de Cristo, que nem foi deixado na morte, nem o seu corpo experimentou corrupção. 32A este Jesus Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas. 33Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis. 34Porque Davi não subiu aos céus, mas ele mesmo declara:

Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita,

35até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés.

2.34-35
Sl 110.1

36Esteja absolutamente certa, pois, toda a casa de Israel de que a este Jesus, que vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.

Três mil batizados

37Ouvindo eles estas coisas, compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos? 38Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. 39Pois para vós outros é a promessa, para vossos filhos e para todos os que ainda estão longe, isto é, para quantos o Senhor, nosso Deus, chamar. 40Com muitas outras palavras deu testemunho e exortava-os, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa. 41Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas.

Como viviam os convertidos

42E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. 43Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos por intermédio dos apóstolos. 44Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum.

2.44
At 4.32-35
45Vendiam as suas propriedades
2.45
Mt 19.21
Mc 10.21
Lc 12.33
18.22
e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. 46Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, 47louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos.

3

A cura de um coxo

31Pedro e João subiam ao templo para a oração da hora nona. 2Era levado um homem, coxo de nascença, o qual punham diariamente à porta do templo chamada Formosa, para pedir esmola aos que entravam. 3Vendo ele a Pedro e João, que iam entrar no templo, implorava que lhe dessem uma esmola. 4Pedro, fitando-o, juntamente com João, disse: Olha para nós. 5Ele os olhava atentamente, esperando receber alguma coisa. 6Pedro, porém, lhe disse: Não possuo nem prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, anda! 7E, tomando-o pela mão direita, o levantou; imediatamente, os seus pés e tornozelos se firmaram; 8de um salto se pôs em pé, passou a andar e entrou com eles no templo, saltando e louvando a Deus. 9Viu-o todo o povo a andar e a louvar a Deus, 10e reconheceram ser ele o mesmo que esmolava, assentado à Porta Formosa do templo; e se encheram de admiração e assombro por isso que lhe acontecera.

O discurso de Pedro no templo

11Apegando-se ele a Pedro e a João, todo o povo correu atônito para junto deles no pórtico chamado de Salomão. 12À vista disto, Pedro se dirigiu ao povo, dizendo: Israelitas, por que vos maravilhais disto ou por que fitais os olhos em nós como se pelo nosso próprio poder ou piedade o tivéssemos feito andar? 13O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, o Deus de nossos pais, glorificou a seu Servo Jesus, a quem vós traístes e negastes perante Pilatos, quando este havia decidido soltá-lo. 14Vós, porém, negastes o Santo e o Justo e pedistes que vos concedessem um homicida.

3.13-14
Mt 27.15-23
Mc 15.6-14
Lc 23.13-23
Jo 19.12-15
15Dessarte, matastes o Autor da vida, a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, do que nós somos testemunhas. 16Pela fé em o nome de Jesus, é que esse mesmo nome fortaleceu a este homem que agora vedes e reconheceis; sim, a fé que vem por meio de Jesus deu a este saúde perfeita na presença de todos vós. 17E agora, irmãos, eu sei que o fizestes por ignorância, como também as vossas autoridades; 18mas Deus, assim, cumpriu o que dantes anunciara por boca de todos os profetas: que o seu Cristo havia de padecer. 19Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados, 20a fim de que, da presença do Senhor, venham tempos de refrigério, e que envie ele o Cristo, que já vos foi designado, Jesus, 21ao qual é necessário que o céu receba até aos tempos da restauração de todas as coisas, de que Deus falou por boca dos seus santos profetas desde a antiguidade. 22Disse, na verdade, Moisés:

O Senhor Deus vos suscitará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim; a ele ouvireis em tudo quanto vos disser.

3.22
Dt 18.15-16

23Acontecerá que toda alma que não ouvir

3.23
Dt 18.19
a esse profeta será exterminada do meio do povo.

24E todos os profetas, a começar com Samuel, assim como todos quantos depois falaram, também anunciaram estes dias. 25Vós sois os filhos dos profetas e da aliança que Deus estabeleceu com vossos pais, dizendo a Abraão:

Na tua descendência, serão abençoadas todas as nações da terra.

3.25
Gn 22.18

26Tendo Deus ressuscitado o seu Servo, enviou-o primeiramente a vós outros para vos abençoar, no sentido de que cada um se aparte das suas perversidades.