Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
11

A defesa de Pedro

111Chegou ao conhecimento dos apóstolos e dos irmãos que estavam na Judeia que também os gentios haviam recebido a palavra de Deus. 2Quando Pedro subiu a Jerusalém, os que eram da circuncisão o arguiram, dizendo: 3Entraste em casa de homens incircuncisos e comeste com eles. 4Então, Pedro passou a fazer-lhes uma exposição por ordem, dizendo: 5Eu estava na cidade de Jope orando e, num êxtase, tive uma visão em que observei descer um objeto como se fosse um grande lençol baixado do céu pelas quatro pontas e vindo até perto de mim. 6E, fitando para dentro dele os olhos, vi quadrúpedes da terra, feras, répteis e aves do céu. 7Ouvi também uma voz que me dizia: Levanta-te, Pedro! Mata e come. 8Ao que eu respondi: de modo nenhum, Senhor; porque jamais entrou em minha boca qualquer coisa comum ou imunda. 9Segunda vez, falou a voz do céu: Ao que Deus purificou não consideres comum. 10Isto sucedeu por três vezes, e, de novo, tudo se recolheu para o céu. 11E eis que, na mesma hora, pararam junto da casa em que estávamos três homens enviados de Cesareia para se encontrarem comigo. 12Então, o Espírito me disse que eu fosse com eles, sem hesitar. Foram comigo também estes seis irmãos; e entramos na casa daquele homem. 13E ele nos contou como vira o anjo em pé em sua casa e que lhe dissera: Envia a Jope e manda chamar Simão, por sobrenome Pedro, 14o qual te dirá palavras mediante as quais serás salvo, tu e toda a tua casa. 15Quando, porém, comecei a falar, caiu o Espírito Santo sobre eles, como também sobre nós, no princípio. 16Então, me lembrei da palavra do Senhor, quando disse: João, na verdade, batizou com11.16 com; ou em água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo.

11.16
At 1.5
17Pois, se Deus lhes concedeu o mesmo dom que a nós nos outorgou quando cremos no Senhor Jesus, quem era eu para que pudesse resistir a Deus? 18E, ouvindo eles estas coisas, apaziguaram-se e glorificaram a Deus, dizendo: Logo, também aos gentios foi por Deus concedido o arrependimento para vida.

Os discípulos são chamados cristãos em Antioquia

19Então, os que foram dispersos

11.19
At 8.4
por causa da tribulação que sobreveio a Estêvão se espalharam até à Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus. 20Alguns deles, porém, que eram de Chipre e de Cirene e que foram até Antioquia, falavam também aos gregos, anunciando-lhes o evangelho do Senhor Jesus. 21A mão do Senhor estava com eles, e muitos, crendo, se converteram ao Senhor. 22A notícia a respeito deles chegou aos ouvidos da igreja que estava em Jerusalém; e enviaram Barnabé até Antioquia. 23Tendo ele chegado e, vendo a graça de Deus, alegrou-se e exortava a todos a que, com firmeza de coração, permanecessem no Senhor. 24Porque era homem bom, cheio do Espírito Santo e de fé. E muita gente se uniu ao Senhor. 25E partiu Barnabé para Tarso à procura de Saulo; 26tendo-o encontrado, levou-o para Antioquia. E, por todo um ano, se reuniram naquela igreja e ensinaram numerosa multidão. Em Antioquia, foram os discípulos, pela primeira vez, chamados cristãos.

Ágabo prediz grande fome

27Naqueles dias, desceram alguns profetas de Jerusalém para Antioquia, 28e, apresentando-se um deles, chamado Ágabo,

11.28
At 21.10
dava a entender, pelo Espírito, que estava para vir grande fome por todo o mundo, a qual sobreveio nos dias de Cláudio. 29Os discípulos, cada um conforme as suas posses, resolveram enviar socorro aos irmãos que moravam na Judeia; 30o que eles, com efeito, fizeram, enviando-o aos presbíteros por intermédio de Barnabé e de Saulo.

12

Herodes persegue a Tiago e a Pedro

121Por aquele tempo, mandou o rei Herodes prender alguns da igreja para os maltratar, 2fazendo passar a fio de espada a Tiago, irmão de João. 3Vendo ser isto agradável aos judeus, prosseguiu, prendendo também a Pedro. E eram os dias dos pães asmos. 4Tendo-o feito prender, lançou-o no cárcere, entregando-o a quatro escoltas de quatro soldados cada uma, para o guardarem, tencionando apresentá-lo ao povo depois da Páscoa. 5Pedro, pois, estava guardado no cárcere; mas havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.

6Quando Herodes estava para apresentá-lo, naquela mesma noite, Pedro dormia entre dois soldados, acorrentado com duas cadeias, e sentinelas à porta guardavam o cárcere. 7Eis, porém, que sobreveio um anjo do Senhor, e uma luz iluminou a prisão; e, tocando ele o lado de Pedro, o despertou, dizendo: Levanta-te depressa! Então, as cadeias caíram-lhe das mãos. 8Disse-lhe o anjo: Cinge-te e calça as sandálias. E ele assim o fez. Disse-lhe mais: Põe a capa e segue-me.

Pedro é livre da prisão

9Então, saindo, o seguia, não sabendo que era real o que se fazia por meio do anjo; parecia-lhe, antes, uma visão. 10Depois de terem passado a primeira e a segunda sentinela, chegaram ao portão de ferro que dava para a cidade, o qual se lhes abriu automaticamente; e, saindo, enveredaram por uma rua, e logo adiante o anjo se apartou dele. 11Então, Pedro, caindo em si, disse: Agora, sei, verdadeiramente, que o Senhor enviou o seu anjo e me livrou da mão de Herodes e de toda a expectativa do povo judaico. 12Considerando ele a sua situação, resolveu ir à casa de Maria, mãe de João, cognominado Marcos, onde muitas pessoas estavam congregadas e oravam. 13Quando ele bateu ao postigo do portão, veio uma criada, chamada Rode, ver quem era; 14reconhecendo a voz de Pedro, tão alegre ficou, que nem o fez entrar, mas voltou correndo para anunciar que Pedro estava junto do portão. 15Eles lhe disseram: Estás louca. Ela, porém, persistia em afirmar que assim era. Então, disseram: É o seu anjo. 16Entretanto, Pedro continuava batendo; então, eles abriram, viram-no e ficaram atônitos. 17Ele, porém, fazendo-lhes sinal com a mão para que se calassem, contou-lhes como o Senhor o tirara da prisão e acrescentou: Anunciai isto a Tiago e aos irmãos. E, saindo, retirou-se para outro lugar.

18Sendo já dia, houve não pouco alvoroço entre os soldados sobre o que teria acontecido a Pedro. 19Herodes, tendo-o procurado e não o achando, submetendo as sentinelas a inquérito, ordenou que fossem justiçadas. E, descendo da Judeia para Cesareia, Herodes passou ali algum tempo.

A morte de Herodes

20Ora, havia séria divergência entre Herodes e os habitantes de Tiro e de Sidom; porém estes, de comum acordo, se apresentaram a ele e, depois de alcançar o favor de Blasto, camarista do rei, pediram reconciliação, porque a sua terra se abastecia do país do rei. 21Em dia designado, Herodes, vestido de trajo real, assentado no trono, dirigiu-lhes a palavra; 22e o povo clamava: É voz de um deus, e não de homem! 23No mesmo instante, um anjo do Senhor o feriu, por ele não haver dado glória a Deus; e, comido de vermes, expirou.

24Entretanto, a palavra do Senhor crescia e se multiplicava.

25Barnabé e Saulo, cumprida a sua missão, voltaram de Jerusalém, levando também consigo a João, apelidado Marcos.

13

Barnabé e Saulo. A primeira viagem missionária

131Havia na igreja de Antioquia profetas e mestres: Barnabé, Simeão, por sobrenome Níger, Lúcio de Cirene, Manaém, colaço de Herodes, o tetrarca, e Saulo. 2E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado. 3Então, jejuando, e orando, e impondo sobre eles as mãos, os despediram.

Elimas, o mágico

4Enviados, pois, pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre. 5Chegados a Salamina, anunciavam a palavra de Deus nas sinagogas judaicas; tinham também João como auxiliar. 6Havendo atravessado toda a ilha até Pafos, encontraram certo judeu, mágico, falso profeta, de nome Barjesus, 7o qual estava com o procônsul Sérgio Paulo, que era homem inteligente. Este, tendo chamado Barnabé e Saulo, diligenciava para ouvir a palavra de Deus. 8Mas opunha-se-lhes Elimas, o mágico (porque assim se interpreta o seu nome), procurando afastar da fé o procônsul. 9Todavia, Saulo, também chamado Paulo, cheio do Espírito Santo, fixando nele os olhos, disse: 10Ó filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perverter os retos caminhos do Senhor? 11Pois, agora, eis aí está sobre ti a mão do Senhor, e ficarás cego, não vendo o sol por algum tempo. No mesmo instante, caiu sobre ele névoa e escuridade, e, andando à roda, procurava quem o guiasse pela mão. 12Então, o procônsul, vendo o que sucedera, creu, maravilhado com a doutrina do Senhor.

João Marcos volta a Jerusalém

13E, navegando de Pafos, Paulo e seus companheiros dirigiram-se a Perge da Panfília. João, porém, apartando-se deles, voltou para Jerusalém. 14Mas eles, atravessando de Perge para a Antioquia da Pisídia, indo num sábado à sinagoga, assentaram-se. 15Depois da leitura da lei e dos profetas, os chefes da sinagoga mandaram dizer-lhes: Irmãos, se tendes alguma palavra de exortação para o povo, dizei-a.

O testemunho de Paulo em Antioquia

16Paulo, levantando-se e fazendo com a mão sinal de silêncio, disse: Varões israelitas e vós outros que também temeis a Deus, ouvi. 17O Deus deste povo de Israel escolheu nossos pais e exaltou o povo

13.17
Êx 1.7
durante sua peregrinação na terra do Egito, donde os tirou com braço poderoso;
13.17
Êx 12.51
18e suportou-lhes os maus costumes por cerca de quarenta anos
13.18
Nm 14.34
Dt 1.31
no deserto; 19e, havendo destruído sete nações
13.19
Dt 7.1
na terra de Canaã, deu-lhes essa terra
13.19
Js 14.1
por herança, 20vencidos cerca de quatrocentos e cinquenta anos. Depois disto, lhes deu juízes,
13.20
Jz 2.16
até o profeta Samuel.
13.20
1Sm 3.20
21Então, eles pediram um rei,
13.21
1Sm 8.5
e Deus lhes deparou Saul,
13.21
1Sm 10.21
filho de Quis, da tribo de Benjamim, e isto pelo espaço de quarenta anos. 22E, tendo tirado a este,
13.22
1Sm 13.14
levantou-lhes o rei Davi, do qual também, dando testemunho, disse: Achei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que fará toda a minha vontade.
13.22
1Sm 16.12
Sl 89.20
23Da descendência deste, conforme a promessa, trouxe Deus a Israel o Salvador, que é Jesus, 24havendo João, primeiro, pregado a todo o povo de Israel, antes da manifestação dele, batismo de arrependimento.
13.24
Mc 1.4
Lc 3.3
25Mas, ao completar João a sua carreira, dizia: Não sou quem supondes;
13.25
Jo 1.20
mas após mim vem aquele
13.25
Mt 3.11
Mc 1.7
Lc 3.16
Jo 1.27
de cujos pés não sou digno de desatar as sandálias.

26Irmãos, descendência de Abraão e vós outros os que temeis a Deus, a nós nos foi enviada a palavra desta salvação. 27Pois os que habitavam em Jerusalém e as suas autoridades, não conhecendo Jesus nem os ensinos dos profetas que se leem todos os sábados, quando o condenaram, cumpriram as profecias; 28e, embora não achassem nenhuma causa de morte, pediram a Pilatos que ele fosse morto.

13.28
Mt 27.22-23
Mc 15.13-14
Lc 23.21-23
Jo 19.15
29Depois de cumprirem tudo o que a respeito dele estava escrito, tirando-o do madeiro, puseram-no em um túmulo.
13.29
Mt 27.57-61
Mc 15.42-47
Lc 23.50-56
Jo 19.38-42
30Mas Deus o ressuscitou dentre os mortos; 31e foi visto muitos dias pelos que, com ele, subiram
13.31
At 1.3
da Galileia para Jerusalém, os quais são agora as suas testemunhas perante o povo. 32Nós vos anunciamos o evangelho da promessa feita a nossos pais, 33como Deus a cumpriu plenamente a nós, seus filhos, ressuscitando a Jesus, como também está escrito no Salmo segundo:

Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei.

13.33
Sl 2.7

34E, que Deus o ressuscitou dentre os mortos para que jamais voltasse à corrupção, desta maneira o disse:

E cumprirei a vosso favor as santas e fiéis promessas feitas a Davi.

13.34
Is 55.3

35Por isso, também diz em outro Salmo:

Não permitirás que o teu Santo veja corrupção.

13.35
Sl 16.10

36Porque, na verdade, tendo Davi servido à sua própria geração, conforme o desígnio de Deus, adormeceu, foi para junto de seus pais e viu corrupção. 37Porém aquele a quem Deus ressuscitou não viu corrupção. 38Tomai, pois, irmãos, conhecimento de que se vos anuncia remissão de pecados por intermédio deste; 39e, por meio dele, todo o que crê é justificado de todas as coisas das quais vós não pudestes ser justificados pela lei de Moisés. 40Notai, pois, que não vos sobrevenha o que está dito nos profetas:

41Vede, ó desprezadores, maravilhai-vos e desvanecei, porque eu realizo, em vossos dias, obra tal que não crereis se alguém vo-la contar.

13.41
Hc 1.5

Instados a pregar no sábado seguinte

42Ao saírem eles, rogaram-lhes que, no sábado seguinte, lhes falassem estas mesmas palavras. 43Despedida a sinagoga, muitos dos judeus e dos prosélitos piedosos seguiram Paulo e Barnabé, e estes, falando-lhes, os persuadiam a perseverar na graça de Deus.

Paulo e Barnabé vão para os gentios

44No sábado seguinte, afluiu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus. 45Mas os judeus, vendo as multidões, tomaram-se de inveja e, blasfemando, contradiziam o que Paulo falava. 46Então, Paulo e Barnabé, falando ousadamente, disseram: Cumpria que a vós outros, em primeiro lugar, fosse pregada a palavra de Deus; mas, posto que a rejeitais e a vós mesmos vos julgais indignos da vida eterna, eis aí que nos volvemos para os gentios. 47Porque o Senhor assim no-lo determinou:

Eu te constituí para luz dos gentios, a fim de que sejas para salvação até aos confins da terra.

13.47
Is 42.6
49.6

48Os gentios, ouvindo isto, regozijavam-se e glorificavam a palavra do Senhor, e creram todos os que haviam sido destinados para a vida eterna. 49E divulgava-se a palavra do Senhor por toda aquela região. 50Mas os judeus instigaram as mulheres piedosas de alta posição e os principais da cidade e levantaram perseguição contra Paulo e Barnabé, expulsando-os do seu território. 51E estes, sacudindo contra aqueles o pó dos pés,
13.51
Mt 10.14
Mc 6.11
Lc 9.5
10.11
partiram para Icônio. 52Os discípulos, porém, transbordavam de alegria e do Espírito Santo.
Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]