Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
6

61E nós, na qualidade de cooperadores com ele, também vos exortamos a que não recebais em vão a graça de Deus 2(porque ele diz:

Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação;

6.2
Is 49.8

eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação); 3não dando nós nenhum motivo de escândalo em coisa alguma, para que o ministério não seja censurado.

A abnegação de Paulo

4Pelo contrário, em tudo recomendando-nos a nós mesmos como ministros de Deus: na muita paciência, nas aflições, nas privações, nas angústias, 5nos açoites, nas prisões,

6.5
At 16.23
nos tumultos, nos trabalhos, nas vigílias, nos jejuns, 6na pureza, no saber, na longanimidade, na bondade, no Espírito Santo, no amor não fingido, 7na palavra da verdade, no poder de Deus, pelas armas da justiça, quer ofensivas, quer defensivas;6.7 quer ofensivas, quer defensivas; no original, as da direita e as da esquerda 8por honra e por desonra, por infâmia e por boa fama, como enganadores e sendo verdadeiros; 9como desconhecidos e, entretanto, bem-conhecidos; como se estivéssemos morrendo e, contudo, eis que vivemos; como castigados, porém não mortos; 10entristecidos, mas sempre alegres; pobres, mas enriquecendo a muitos; nada tendo, mas possuindo tudo.

O amor com amor se paga

11Para vós outros, ó coríntios, abrem-se os nossos lábios, e alarga-se o nosso coração. 12Não tendes limites em nós; mas estais limitados em vossos próprios afetos. 13Ora, como justa retribuição (falo-vos como a filhos), dilatai-vos também vós.

Nenhuma comunhão com os incrédulos

14Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? 15Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo? 16Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus

6.16
1Co 3.16
6.19
vivente, como ele próprio disse:

Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.

6.16
Lv 26.12
Ez 37.27

17Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras; e eu vos receberei,

6.17
Is 52.11

18serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas,

6.18
2Sm 7.14
1Cr 17.13
diz o Senhor Todo-Poderoso.

7

71Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus.

O afeto de Paulo para com os coríntios

2Acolhei-nos em vosso coração; a ninguém tratamos com injustiça, a ninguém corrompemos, a ninguém exploramos. 3Não falo para vos condenar; porque já vos tenho dito que estais em nosso coração para, juntos, morrermos e vivermos. 4Mui grande é a minha franqueza para convosco, e muito me glorio por vossa causa; sinto-me grandemente confortado e transbordante de júbilo em toda a nossa tribulação.

A chegada de Tito

5Porque, chegando nós à Macedônia,

7.5
2Co 2.13
nenhum alívio tivemos; pelo contrário, em tudo fomos atribulados: lutas por fora, temores por dentro. 6Porém Deus, que conforta os abatidos, nos consolou com a chegada de Tito; 7e não somente com a sua chegada, mas também pelo conforto que recebeu de vós, referindo-nos a vossa saudade, o vosso pranto, o vosso zelo por mim, aumentando, assim, meu regozijo. 8Porquanto, ainda que vos tenha contristado com a carta, não me arrependo; embora já me tenha arrependido (vejo que aquela carta vos contristou por breve tempo), 9agora, me alegro não porque fostes contristados, mas porque fostes contristados para arrependimento; pois fostes contristados segundo Deus, para que, de nossa parte, nenhum dano sofrêsseis. 10Porque a tristeza segundo Deus produz arrependimento para a salvação, que a ninguém traz pesar; mas a tristeza do mundo produz morte. 11Porque quanto cuidado não produziu isto mesmo em vós que, segundo Deus, fostes contristados! Que defesa, que indignação, que temor, que saudades, que zelo, que vindita! Em tudo destes prova de estardes inocentes neste assunto. 12Portanto, embora vos tenha escrito, não foi por causa do que fez o mal, nem por causa do que sofreu o agravo, mas para que a vossa solicitude a nosso favor fosse manifesta entre vós, diante de Deus. 13Foi por isso que nos sentimos confortados. E, acima desta nossa consolação, muito mais nos alegramos pelo contentamento de Tito, cujo espírito foi recreado por todos vós. 14Porque, se nalguma coisa me gloriei de vós para com ele, não fiquei envergonhado; pelo contrário, como, em tudo, vos falamos com verdade, também a nossa exaltação na presença de Tito se verificou ser verdadeira. 15E o seu entranhável afeto cresce mais e mais para convosco, lembrando-se da obediência de todos vós, de como o recebestes com temor e tremor. 16Alegro-me porque, em tudo, posso confiar em vós.

8

A oferta das igrejas da Macedônia para os pobres da Judeia

81Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus concedida às igrejas da Macedônia; 2porque, no meio de muita prova de tribulação, manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza deles superabundou em grande riqueza da sua generosidade. 3Porque eles, testemunho eu, na medida de suas posses e mesmo acima delas, se mostraram voluntários, 4pedindo-nos, com muitos rogos, a graça de participarem da assistência aos santos.

8.1-4
Rm 15.26
5E não somente fizeram como nós esperávamos, mas também deram-se a si mesmos primeiro ao Senhor, depois a nós, pela vontade de Deus; 6o que nos levou a recomendar a Tito que, como começou, assim também complete esta graça entre vós. 7Como, porém, em tudo, manifestais superabundância, tanto na fé e na palavra como no saber, e em todo cuidado, e em nosso amor para convosco, assim também abundeis nesta graça.

8Não vos falo na forma de mandamento, mas para provar, pela diligência de outros, a sinceridade do vosso amor; 9pois conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós, para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos. 10E nisto dou minha opinião; pois a vós outros, que, desde o ano passado, principiastes não só a prática, mas também o querer, convém isto. 11Completai, agora, a obra começada, para que, assim como revelastes prontidão no querer, assim a leveis a termo, segundo as vossas posses. 12Porque, se há boa vontade, será aceita conforme o que o homem tem e não segundo o que ele não tem. 13Porque não é para que os outros tenham alívio, e vós, sobrecarga; mas para que haja igualdade, 14suprindo a vossa abundância, no presente, a falta daqueles, de modo que a abundância daqueles venha a suprir a vossa falta, e, assim, haja igualdade, 15como está escrito:

O que muito colheu não teve demais; e o que pouco, não teve falta.

8.15
Êx 16.18

O novo encargo de Tito

16Mas graças a Deus, que pôs no coração de Tito a mesma solicitude por amor de vós; 17porque atendeu ao nosso apelo e, mostrando-se mais cuidadoso, partiu voluntariamente para vós outros. 18E, com ele, enviamos o irmão cujo louvor no evangelho está espalhado por todas as igrejas. 19E não só isto, mas foi também eleito pelas igrejas para ser nosso companheiro no desempenho desta graça ministrada por nós, para a glória do próprio Senhor e para mostrar a nossa boa vontade; 20evitando, assim, que alguém nos acuse em face desta generosa dádiva administrada por nós; 21pois o que nos preocupa é procedermos honestamente,

8.21
Pv 3.4
não só perante o Senhor, como também diante dos homens. 22Com eles, enviamos nosso irmão cujo zelo, em muitas ocasiões e de muitos modos, temos experimentado; agora, porém, se mostra ainda mais zeloso pela muita confiança em vós. 23Quanto a Tito, é meu companheiro e cooperador convosco; quanto a nossos irmãos, são mensageiros das igrejas e glória de Cristo. 24Manifestai, pois, perante as igrejas, a prova do vosso amor e da nossa exultação a vosso respeito na presença destes homens.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]