Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
9

A liberdade e os direitos do apóstolo Paulo

91Não sou eu, porventura, livre? Não sou apóstolo? Não vi Jesus, nosso Senhor? Acaso, não sois fruto do meu trabalho no Senhor? 2Se não sou apóstolo para outrem, certamente, o sou para vós outros; porque vós sois o selo do meu apostolado no Senhor. 3A minha defesa perante os que me interpelam é esta: 4não temos nós o direito de comer e beber? 5E também o de fazer-nos acompanhar de uma mulher irmã, como fazem os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas? 6Ou somente eu e Barnabé não temos direito de deixar de trabalhar? 7Quem jamais vai à guerra à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta um rebanho e não se alimenta do leite do rebanho?

8Porventura, falo isto como homem ou não o diz também a lei? 9Porque na lei de Moisés está escrito:

Não atarás a boca ao boi, quando pisa o trigo.

9.9
Dt 25.4

Acaso, é com bois que Deus se preocupa? 10Ou é, seguramente, por nós que ele o diz? Certo que é por nós que está escrito; pois o que lavra cumpre fazê-lo com esperança; o que pisa o trigo faça-o na esperança de receber a parte que lhe é devida. 11Se nós vos semeamos as coisas espirituais,
9.11
Rm 15.27
será muito recolhermos de vós bens materiais? 12Se outros participam desse direito sobre vós, não o temos nós em maior medida?

Entretanto, não usamos desse direito; antes, suportamos tudo, para não criarmos qualquer obstáculo ao evangelho de Cristo. 13Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados do próprio templo se alimentam? E quem serve ao altar

9.13
Dt 18.1
do altar tira o seu sustento? 14Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho
9.14
Mt 10.10
Lc 10.7
que vivam do evangelho; 15eu, porém, não me tenho servido de nenhuma destas coisas e não escrevo isto para que assim se faça comigo; porque melhor me fora morrer, antes que alguém me anule esta glória. 16Se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois sobre mim pesa essa obrigação; porque ai de mim se não pregar o evangelho! 17Se o faço de livre vontade, tenho galardão; mas, se constrangido, é, então, a responsabilidade de despenseiro que me está confiada. 18Nesse caso, qual é o meu galardão? É que, evangelizando, proponha, de graça, o evangelho, para não me valer do direito que ele me dá.

19Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. 20Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. 21Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. 22Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. 23Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de me tornar cooperador com ele. 24Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.

25Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. 26Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. 27Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado.