Almeida Revista e Atualizada (1993) (ARA)
8

Acerca das coisas sacrificadas aos ídolos

81No que se refere às coisas sacrificadas a ídolos, reconhecemos que todos somos senhores do saber. O saber ensoberbece, mas o amor edifica. 2Se alguém julga saber alguma coisa, com efeito, não aprendeu ainda como convém saber. 3Mas, se alguém ama a Deus, esse é conhecido por ele. 4No tocante à comida sacrificada a ídolos, sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo e que não há senão um só Deus. 5Porque, ainda que há também alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, 6todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele. 7Entretanto, não há esse conhecimento em todos; porque alguns, por efeito da familiaridade até agora com o ídolo, ainda comem dessas coisas como a ele sacrificadas; e a consciência destes, por ser fraca, vem a contaminar-se. 8Não é a comida que nos recomendará a Deus, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos, se comermos. 9Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos. 10Porque, se alguém te vir a ti, que és dotado de saber, à mesa, em templo de ídolo, não será a consciência do que é fraco induzida a participar de comidas sacrificadas a ídolos? 11E assim, por causa do teu saber, perece o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. 12E deste modo, pecando contra os irmãos, golpeando-lhes a consciência fraca, é contra Cristo que pecais. 13E, por isso, se a comida serve de escândalo a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que não venha a escandalizá-lo.

9

A liberdade e os direitos do apóstolo Paulo

91Não sou eu, porventura, livre? Não sou apóstolo? Não vi Jesus, nosso Senhor? Acaso, não sois fruto do meu trabalho no Senhor? 2Se não sou apóstolo para outrem, certamente, o sou para vós outros; porque vós sois o selo do meu apostolado no Senhor. 3A minha defesa perante os que me interpelam é esta: 4não temos nós o direito de comer e beber? 5E também o de fazer-nos acompanhar de uma mulher irmã, como fazem os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas? 6Ou somente eu e Barnabé não temos direito de deixar de trabalhar? 7Quem jamais vai à guerra à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta um rebanho e não se alimenta do leite do rebanho?

8Porventura, falo isto como homem ou não o diz também a lei? 9Porque na lei de Moisés está escrito:

Não atarás a boca ao boi, quando pisa o trigo.

9.9
Dt 25.4

Acaso, é com bois que Deus se preocupa? 10Ou é, seguramente, por nós que ele o diz? Certo que é por nós que está escrito; pois o que lavra cumpre fazê-lo com esperança; o que pisa o trigo faça-o na esperança de receber a parte que lhe é devida. 11Se nós vos semeamos as coisas espirituais,
9.11
Rm 15.27
será muito recolhermos de vós bens materiais? 12Se outros participam desse direito sobre vós, não o temos nós em maior medida?

Entretanto, não usamos desse direito; antes, suportamos tudo, para não criarmos qualquer obstáculo ao evangelho de Cristo. 13Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados do próprio templo se alimentam? E quem serve ao altar

9.13
Dt 18.1
do altar tira o seu sustento? 14Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho
9.14
Mt 10.10
Lc 10.7
que vivam do evangelho; 15eu, porém, não me tenho servido de nenhuma destas coisas e não escrevo isto para que assim se faça comigo; porque melhor me fora morrer, antes que alguém me anule esta glória. 16Se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois sobre mim pesa essa obrigação; porque ai de mim se não pregar o evangelho! 17Se o faço de livre vontade, tenho galardão; mas, se constrangido, é, então, a responsabilidade de despenseiro que me está confiada. 18Nesse caso, qual é o meu galardão? É que, evangelizando, proponha, de graça, o evangelho, para não me valer do direito que ele me dá.

19Porque, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos, a fim de ganhar o maior número possível. 20Procedi, para com os judeus, como judeu, a fim de ganhar os judeus; para os que vivem sob o regime da lei, como se eu mesmo assim vivesse, para ganhar os que vivem debaixo da lei, embora não esteja eu debaixo da lei. 21Aos sem lei, como se eu mesmo o fosse, não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo, para ganhar os que vivem fora do regime da lei. 22Fiz-me fraco para com os fracos, com o fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns. 23Tudo faço por causa do evangelho, com o fim de me tornar cooperador com ele. 24Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.

25Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. 26Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar. 27Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado.

10

Exemplos da história de Israel

101Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem,

10.1
Êx 13.21-22
e todos passaram pelo mar,
10.1
Êx 14.22-29
2tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés. 3Todos eles comeram de um só manjar espiritual
10.3
Êx 16.35
4e beberam da mesma fonte espiritual;
10.4
Êx 17.6
Nm 20.11
porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo. 5Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles,
10.5
Nm 14.29-30
razão por que ficaram prostrados no deserto. 6Ora, estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.
10.6
Nm 11.4

7Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; porquanto está escrito:

O povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se.

10.7
Êx 32.6

8E não pratiquemos imoralidade,
10.8
Nm 25.1-18
como alguns deles o fizeram, e caíram, num só dia, vinte e três mil. 9Não ponhamos o Senhor à prova,
10.9
Nm 21.5-6
como alguns deles já fizeram e pereceram pelas mordeduras das serpentes. 10Nem murmureis,
10.10
Nm 16.41,49
como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador. 11Estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado. 12Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia. 13Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.

O cristão deve fugir da idolatria

14Portanto, meus amados, fugi da idolatria. 15Falo como a criteriosos; julgai vós mesmos o que digo. 16Porventura, o cálice da bênção

10.16
Mt 26.27-28
Mc 14.22-24
Lc 22.19-20
que abençoamos não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é a comunhão do corpo de Cristo? 17Porque nós, embora muitos, somos unicamente um pão, um só corpo; porque todos participamos do único pão. 18Considerai o Israel segundo a carne; não é certo que aqueles que se alimentam dos sacrifícios são participantes do altar?
10.18
Lv 7.6
19Que digo, pois? Que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? Ou que o próprio ídolo tem algum valor? 20Antes, digo que as coisas que eles sacrificam, é a demônios
10.20
Dt 32.17
que as sacrificam e não a Deus; e eu não quero que vos torneis associados aos demônios. 21Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. 22Ou provocaremos zelos no Senhor?
10.22
Dt 32.21
Somos, acaso, mais fortes do que ele?

Os limites da liberdade cristã

23Todas as coisas são lícitas,

10.23
1Co 6.12
mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam. 24Ninguém busque o seu próprio interesse, e sim o de outrem. 25Comei de tudo o que se vende no mercado, sem nada perguntardes por motivo de consciência; 26porque do Senhor é a terra e a sua plenitude.
10.26
Sl 24.1
27Se algum dentre os incrédulos vos convidar, e quiserdes ir, comei de tudo o que for posto diante de vós, sem nada perguntardes por motivo de consciência. 28Porém, se alguém vos disser: Isto é coisa sacrificada a ídolo, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; 29consciência, digo, não a tua propriamente, mas a do outro. Pois por que há de ser julgada a minha liberdade pela consciência alheia? 30Se eu participo com ações de graças, por que hei de ser vituperado por causa daquilo por que dou graças? 31Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus. 32Não vos torneis causa de tropeço nem para judeus, nem para gentios, nem tampouco para a igreja de Deus, 33assim como também eu procuro, em tudo, ser agradável a todos, não buscando o meu próprio interesse, mas o de muitos, para que sejam salvos.

Utilizamos cookies de acordo com o nossa Política de Privacidade, respeitando todos as suas informações pessoais.[ocultar]